TREINADOR


O Treinador

Direção de uma equipa:
A direcção da equipa corresponde ao Treinador que deve possuir as seguintes qualidades:
Conhecimentos sobre o Desporto, nomeadamente do Futsal.
Humildade, honradez, e respeito no trato com os seus jogadores.
Experiência na direcção e organização de um grupo.
Dedicação, interesse e atitude positiva perante a sua equipa.
Capacidade para gerir e liderança sobre o grupo.
Conhecimentos sobre psicologia desportiva.
Conhecimento dos seus jogadores, física, técnica, táctica e psicologicamente.
O Treinador deve, antes de mais, conhecer os seus jogadores.

Para isso deverá:
Aplicar testes valorativos.
Realizar provas (físicas, conhecimento técnico-táctico).
Utilizar a observação directa.
Analisar objectivamente em cada um dos jogadores da sua equipa.
A responsabilidade do Treinador é total, e depende da sua própria preparação incutir o espírito de equipa nos seus jogadores.

O Treinador deve, antes de mais, conhecer de cada jogador:
- Sua resposta e capacidade física.
- O grau de destreza e técnica que possui.
- Sua assimilação e mentalidade táctica.
- Sua capacidade de jogo.
- Sua regularidade.
- O grau de colaboração e espírito de sacrifício.
- Sua estabilidade emocional.
- Sua inteligência.
- Sua vocação de líder.

RESPONSABILIDADES DO TEINADOR: 
1. Formar a equipa.
2. Buscar talentos.
3. Orientação nos jogos, antes, depois e durante o jogo.
No caminho para os vestiários, nas trocas, quando nos dirigimos aos árbitros, enfim temos que controlar tudo:
4. Orientação do treino.
5. Direcção das equipas, como um todo, e os jogadores, como uma unidade.

Ainda acerca da ORIENTAÇÃO DO TREINO:
1. Estabelecer os objectivos da equipa
2. Planificação dos treinos: Duração das sessões, organização dos treinos, objectivos específicos e gerais.
3. Preparação dos treinos: pontualidade, explicação dos mesmos.
4. Princípios práticos do treino:
Aquecimento, parte principal e regresso à calma.
Motivação do jogador: dar-lhe com peso e medida entusiasmo, alegria e seriedade
Dominar o espaço: imagem, controlo
Não humilhar o jogador, somente corrigir com firmeza. Não recriminar.
Explicar com objectividade e clareza.
Saber comunicar, na linguagem do treinador. Saber transmitir.
Não desviarmo-nos dos objectivos do treino. Realizar exercícios com a máxima intensidade.
Cuidado com o material.
5. Realizar controles, testes físicos, cada três meses (mais ou menos).
6. Avaliação do treino:
Que temos trabalhado
Participação
Problemas extras
Objectivos alcançados
Assistências

Que deve trabalhar o Treinador durante a pré-epoca?
1. Sobretudo o padrão de jogo: como vou defender, como vou atacar, estratégias.
2. Preparação física.
3. Trabalho em jogo reduzido: 2x2, 3x3.

Desse padrão de jogo, que destacaria?
Há normas gerais, temos sempre que saber a razão do porquê de fazer as coisas desta ou daquela forma:
1. Dois sempre apoiando a bola.
2. Passe ao pivot e vão sempre dois à bola (apoio/remate).
3. "Cortar" (penetração) para romper a defesa, mas regressar logo para apoiar.
4. Nunca 3 jogadores à frente da linha da bola.
5. Se o jogador com bola está a ser pressionado, apoio deve estar perto e por trás (dobra).
6. Se o jogador com bola está a ser pressionado, apoio na ala com o objectivo de abrir o jogo.
7. Se o adversário fechar, não colocar (fixo em 3:1) a bola no pivot no centro, passar a bola pela ala e fazer entrada de "2º pivot".
8. Se o adversário se fecha, jogar mais forte por uma ala e rapidamente surpreender por a outra com mudança de direcção.

Como se mantém a concentração numa equipa?
1. Primeiro tê-la o treinador.
2. Dar importância às pequenas coisas, por exemplo, o jogador deve escutar quando o treinador fala, sobretudo nos tempos "mortos".
3. Ter carácter.
4. Informar-se de todos os jogadores para utilizá-los como motivação.
5. Alternar as "repreensões" com os incentivos.
6. Criar grupo, fazer "teia".
7. Não consentir atitudes adversas

FUNÇÕES DO TREINADOR DE FUTSAL

O treinador de Futsal deverá ter em consideração outros aspectos que não sejam somente os do foro técnico. È necessário que o treinador se envolva directamente nomeadamente ao nível do clube, ao nível do treino, ao nível da competição e ao nível do jogador e a sua relação com o atleta e ainda ao nível da relação com os outros.
Ao nível do clube o treinador deve intervir nas áreas de:

1 – Organização Administrativa do Clube (propondo formas para organizar o clube, apresentando soluções para os problemas com que ele próprio depara);

2 – Sector dos Materiais e dos Equipamentos (sem esquecer as possibilidades financeiras apresentar soluções a problemas em relação ao material e equipamentos);

3 – Instalações Desportivas (“fazer-se ouvir” em situações de melhoramentos e remodelações das instalações desportivas, no sentido de resolver problemas e melhorar se possível as condições para todos os indivíduos intervenientes na modalidade em causa);

4 – Organização do departamento técnico (no sentido de haver ligação entre os vários sectores do clube, tornando-os complementares e convergentes através da tomada de acções como a decisão quanto ao número de escalões, caracterização técnica do trabalho a realizar, etc...);

Ao nível do treino (que é a área de maior intervenção), o treinador tem que ser capaz de encontrar as razões que levaram ao sucesso ou insucesso na competição. Outro aspecto importante está relacionado com o facto do treinador ter a necessidade de estar bem identificado com aquilo que se propõem ensinar para que durante a realização saiba o que vai fazer e como o vai fazer. É necessário que o treinador se organize para que consiga recolher todos os dados, quer positivos, quer negativos dos atletas para que consiga determinar possíveis erros ou comportamentos, com o objectivo de possibilitar a realização de um estudo mais pormenorizado sobre aquilo que são as suas “matérias-primas”. Outro aspecto importante num treinador é o facto da necessidade de estar equipado com um vestiário que lhe permita o correcto desempenho dessas tarefas e também de se “aproximar” mais dos seus atletas. Durante o treino, o treinador:

- Exemplifica e demonstra (o que quer que os seus atletas realizem); 

- Observa (tudo e todos que participam no treino);

- Corrige (explicando ao atleta como deve realizar, sendo por isso um momento dinâmico e transformador);

- Auxilia (o executante em algumas situações, que possibilitam ao atleta obter as primeiras informações motoras do movimento que de outra forma são muito difíceis);

- Participa (em determinadas situações mas sem nunca permitir que exista confusão entre quem treina e quem é treinado);

- Controla (a actividade dos atletas durante o treino, nos mais diversificados aspectos como a duração de cada exercício ou aspectos exteriores de fadiga).


Pedro Costa – Treinador de Futsal

* Esta reportagem foi retirada: http://pedrocostafutsal.tripod.com/futsal/id7.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAMPEONATO METROPOLITANO DE FUTSAL 2016

TEMPORADA 2016

ANIVERSÁRIO CRAQUE 10